Governança corporativa
G4-34

O modelo de governança da AMAGGI, implantado em 2011, está em constante processo de aprimoramento, por meio da formação dos conselheiros pelo Instituto de Governança Corporativa (IBGC) e do trabalho de seus respectivos comitês. Ele conta com uma Matriz de Responsabilidades que define claramente o papel, alçadas financeiras e não financeiras do Conselho de Administração e seus respectivos conselheiros, bem como da Diretoria Executiva.

Essa estrutura tem oportunizado alinhamento de expectativas e acordos sobre o modelo de gestão necessário para o presente e o futuro da AMAGGI, com um processo de decisão mais simples e a convergência de interesses entre Conselho de Administração, presidente e diretores, pois a transparência e a rigorosa prestação de contas, dentro da organização e para o mercado, são valores cultivados e atributos culturais da companhia.

O Projeto Aroeira, hoje consolidado, constitui o próprio modelo de gestão da AMAGGI, assegurando as melhores decisões na formulação e execução bem sucedida da estratégia da companhia, e a perenidade para as próximas gerações. Seu plano de negócios é elaborado de forma participativa e tem ações definidas até 2025.
O cuidado com a sucessão faz parte da agenda de governança da AMAGGI, que conta com um mapeamento integral do perfil e potencial de sua liderança, por meio da Escola de Líderes. Já os Comitês de Pessoas realizam a calibragem do Nine Box3, que contribui para o programa de desenvolvimento individual e a maximização do potencial individual na preparação para futuras oportunidades na companhia.

Atualmente, 100% das oportunidades para posições na Diretoria Executiva da AMAGGI e 80% das oportunidades em posições de liderança são preenchidas internamente.

No final de 2016, a companhia anunciou o processo de transição na posição de presidente, com aproveitamento interno a ocorrer em 2017. Todas as oportunidades surgidas em decorrência dessa movimentação foram preenchidas com talentos internos.

3. A matriz de desempenho e potencial, comumente referida como “Nine Box”, é uma ferramenta simples e eficaz utilizada para avaliar o talento nas organizações. Sua função é avaliar os indivíduos em duas dimensões: seu desempenho passado e suas competências.

Gestão de riscos
G4-14

A gestão de riscos da AMAGGI fundamenta-se na Política de Gestão de Riscos Corporativos, lançada em 2015, e atua de forma a mitigar riscos financeiros, estratégicos, operacionais e regulamentares. Além de apresentar as diretrizes de gestão de riscos da empresa, o documento também define as ferramentas permitidas para realizar a mitigação de riscos de exposição comercial e financeira.

A AMAGGI organiza sua gestão de risco a partir de alguns princípios, sendo o primeiro deles o de que essa gestão constitui um processo, e não um evento isolado, portanto deve envolver todas as áreas da companhia. Os outros são os de que sua implantação deve ser liderada pelo Conselho de Administração, pelo presidente e pela Diretoria de cada área de negócio, além de requerer a difusão da cultura de conhecimento e de mitigação dos riscos, com a participação rotineira do conjunto dos colaboradores.





O processo de gestão de riscos passa por algumas etapas, como avaliação e mensuração dos fatores de risco; análise preliminar dos fatores de riscos e avaliação de alternativas de mitigação; execução das alternativas de mitigação; comunicação das estratégias executadas; e, por fim, controle e monitoramento das ações. Esse processo é conduzido pelo Comitê de Gestão de Risco, que avalia o cumprimento integral da Política de Gestão de Risco Corporativo e propõe alternativas aplicáveis. O comitê também tem o poder de vetar propostas de operações que, sob sua ótica, não sejam adequadas à companhia.

A AMAGGI conta ainda com outros comitês corporativos encarregados da gestão preventiva: Comitê Central de Saúde e Segurança Ocupacional; Comitê de Ética e Conduta; Comitê de Riscos Financeiros; Comitê Tributário, Comitê de Governança Tributária e Comitê Tributário Fiscal; Comitê de Auditoria Interna; e Comitê de Gente. O Comitê de Sustentabilidade esteve em reformulação, em 2016, e passará a atuar, com um novo formato, em 2017. Um das atribuições desses comitês são identificar e mensurar, regularmente, os principais riscos financeiros, ambientais e sociais aos quais a companhia está exposta, além de definir medidas e procedimentos de prevenção e mitigação.

Comitês G4-34

O órgão analisa e sugere ações nas unidades da AMAGGI Agro onde está implantado o Programa de Segurança Comportamental. Liderado pelo presidente da companhia, ele conta ainda com a participação do diretor e dos gerentes regionais da AMAGGI Agro e da Gerência da área de Saúde e Segurança Ocupacional. Além disso, cada unidade da empresa possui seu próprio Comitê Regional de Saúde e Segurança Ocupacional, liderado pelo gerente da unidade e por colaboradores chave por ele designados, que têm a função de deliberar, padronizar e monitorar as ações relacionadas à área.
Liderado pelo presidente da Diretoria Executiva ou do Conselho de Administração, o comitê tem como principais atribuições acompanhar a aplicação das diretrizes do Código de Ética e Conduta e deliberar sobre eventuais desvios em todas as unidades. Composto por três colaboradores da AMAGGI, ele realiza uma reunião ordinária trimestral, ou ainda reuniões extraordinárias para tratar de questões específicas ou emergenciais.
Em 2016, o Comitê Tributário passou a integrar a estrutura do Conselho de Administração. Apoiado por um membro externo do Conselho de Administração, o comitê dá apoio a recomendações e decisões da área Fiscal Tributária.
Liderado pelo presidente da AMAGGI e formado pelos diretores Jurídico e Administrativo-Financeiro da companhia, o Comitê de Governança Tributária conta também com a participação dos demais diretores executivos, quando necessário. Sua função é auditar os Relatórios Tributários e Demonstrações Financeiras, dar garantias de obediências às leis e regulamentações, bem como assegurar a efetividade e a eficiência nas operações da AMAGGI.
O órgão presta apoio à Diretoria Executiva e ao Conselho de Administração da AMAGGI, com o objetivo de garantir que a companhia atenda plenamente à legislação vigente e tenha um desempenho efetivo e eficiente em relação às questões tributárias. Formado por 14 colaboradores, representantes de todas as divisões de negócio das áreas de Controladoria, Jurídica e Tributária, o comitê reporta-se diretamente à Comissão de Governança Tributária (formada pelo presidente executivo e pelos diretores Jurídico e Administrativo-Financeiro da companhia). Os membros reúnem-se mensalmente e atuam com independência em relação à Diretoria.
Responsável por definir os processos de monitoramento e avaliação da adequação do ambiente de controles internos e de normas e procedimentos formalizados pela Diretoria Executiva, o comitê é composto pelo presidente do Conselho de Administração, um conselheiro e um diretor executivo. Ele assume as tarefas de aprovar o Plano de Auditoria Interna, acompanhar a gestão dos trabalhos e definir as medidas cabíveis relacionadas aos riscos identificados, incluindo questões relativas a fraudes e corrupção. A auditoria interna consiste em uma atividade de gestão externa independente.
Formado por conselheiros, o presidente do Conselho de Administração, o presidente da AMAGGI, e executivos internos convidados, o comitê se reúne três vezes por ano, com o objetivo de apoiar o Conselho de Administração e a Diretoria Executiva no plano de sucessão e na avaliação anual de seus membros, além de validar a política de remuneração, acompanhar o desenvolvimento dos diretores e definir estratégias para o desenvolvimento dos líderes de suas equipes.

Compliance: investimento em ética e conformidade
SO4

Em 2016, a AMAGGI realizou um diagnóstico, com apoio de uma consultoria externa especializada, para implementar um Programa de Compliance e Anticorrupção. O diagnóstico incluiu a análise de documentação e sistemas, entrevistas com diretores e gerentes, e um mapeamento de interações com entidades governamentais. O processo resultou em um relatório indicando pontos de melhoria e atenção, que está sob análise interna das áreas e diretorias envolvidas com o tema.

O apoio da consultoria contratada abrange também o suporte na criação de uma Política de Integridade, que contemplará os procedimentos relacionados ao Programa de Compliance e Anticorrupção, de maneira integrada com as normas, os canais de comunicação e o Código de Ética e Conduta, já implantados pela AMAGGI.

Após a aprovação da Política de Integridade, será traçado um plano de ação, bem como o cronograma de futuras comunicações e treinamentos em políticas e procedimentos de combate à corrupção.

Canal de denúncia
LA16

A AMAGGI oferece um Canal de Denúncia, com opção de anonimato, disponível por e-mail, website e pelo telefone 0800 647 0004. Ele está oferecido para todos os colaboradores próprios e terceirizados, fornecedores e comunidade em geral. Todas as denúncias recebidas são investigadas e analisadas; caso se comprove algo irregular, o caso é encaminhado para a Diretoria e a Presidência.

Em 2016, a companhia abordou 108 casos; desse total, 86 foram resolvidos no mesmo ano, sendo que 12 deles foram registradas antes do período coberto pelo relatório.